Você é você.


. . . Entre Ilusão e Realidade. Aonde você está? Quem somos realmente afinal? Se vale a pena viver não sei. Mas será uma jornada épica!

Seguidores

27/12/2011

Episódio 05

05 "Ressurgindo"

Isabelle parece estar sobre efeito de drogas, não concorda?
Que bom que não concorda, realmente não está.
Apenas devaneiou um pouco no meio da estrada.
Como se tudo isto pudesse ser possível, pensou ela.
Estava parada fitando uma roda velha na estrada,
e ouviu o som de um acordeon nobre e depressivo,
se aproximava então pela estrada a
"Grande Parada, O Circo está na cidade"
Se via além de bufões, bailarinas, elefantes, mágicos, malabaristas,
macacos, palhaços e atiradores de facas,
um "João na Caixa" fazendo atrás na luz da vela,
as sombras dos personagens da parada com as mãos.
Era a incrível parada de um homem só.
Então deixou de gracinhas,
colocou a postos seu nobre acordeon
e veio cantarolando passando ao lado de Isabelle.
+ Meu nome é Jeffrey, e eu sou o palhaço nesta noite...
O resto você já sabe...

E olhou por um tempo com curiosidade. Minha nobre princesa.
Via diante de si uma alucinação, um palhaço com o rosto maquiado como se fosse uma caveira. Jamais o Pierrot teria tal idéia.

- E o que o faz cruzar meu caminho plebeu? - indaga Isabelle.
- Sou apenas um transeunte milady, responde seco.

Isabelle o encara de forma gentil, como se aquele simplório fosse de alguma ajuda.
O ambiente era desfavorável, ela pensou, então poderia segui-lo para ter algum rumo.

- Aonde segue tua comitiva?
    Oh, a todos os lugares e a lugar algum.
    Na verdade, não trabalho mais para nada, cansei-me dessa vida,
    talvez eu me torne um caçador.
- És estúpido ou o quê? - Isabelle não se continha.

"Venha! Irei lhe mostrar algo!" e Isabelle pegou a mão do palhaço e o levou á colina.

... Vês? O que estão fazendo aqui estas crianças?
_ São meros plebeus milady.
... Sim, ordeno que os retire daí, eu reclamo esta colina como minha!
- Perdão milady, mas não sou soldado, não posso acatar tais ordens.
... C-como? - Isabelle ferveu por dentro...

Preste bem atenção Sr. Palhaço:

Nem todos que tem olhos vêem
Nem todos que tem mãos operam
Nem todos que tem ouvidos ouvem
Mas todos que tem alma sabem que ela existe!

Aonde passou seus dias? Aonde seguiu com sua comitiva estúpida e fútil?!
Aonde sua arte promove algum bem estar social?
És um nobre ordinário palhaço, pois tu não dá favores nenhum para a nobreza,
tu és dele o bobo da corte, e é acolhido, és um adotado.
Pois bem, ordeno que seja minha companhia.

Ao que nosso palhaço ficou pasmo:
"Oh, claro milady. Jeffrey é o nome",
e curvou-se em reverência, em seguida ajoelhou-se.
" Que eu seja teu cavaleiro de agora em diante "

Isabelle não se conteve em apenas ficar olhando e imediatamente
deu um tapa no palhaço com toda sua força.
"Levante! Cavaleiro, agora jamais tema minha mão! Sirva-a!
Este é teu compromisso, e se o falhar deve entregar sua vida á mim!"

...
E assim foi.

As nuvens não tinham tom algum, e o ambiente era totalmente desinteressante.
O chão como qualquer um era como aquela terra escura, as gramas totalmente
mortas e o único brilho da paisagem era as Mano-Flores,
flores em forma de braço e mãos humanas.
Isabelle e Jeffrey sentiam apertado seus cintos... (?)
A menina não tinha muito a que recorrer e seus sentimentos não se conteram,
parecia ser outra pessoa.

> "Lúmrill"
A quem me lê? Antes no tempo, me encontrasse em teu sotão.
Peço perdões pelo incoveniente de desaparecer,
mas recebi o chamado de Jeffrey e ele anseava que eu fosse músico.
sim, que cantasse. No entanto isso toma boa parte de meu tempo, mas não se preocupe.
Meu motivo foi exatamente outro por ter desaparecido,
apenas estava em um casulo: retorno majestoso.
Há um corpo humano do qual eu me aposso e suas
condições se tornaram sóbrias demais para minha intervenção.
Agora que posso retornar ao mundo onírico de meu cadáver gracioso,
me despeço pessoalmente por enquanto, cuidarei de outras tarefas.
No entanto aonde estiver pensarei em você, e escreverei:
E tu lerá, pois as cartas virão á este sotão por meio de meu corvo que as trará.
Cuide delas e poderá se tornar um livro Minha reverência.

O que aconteceu com nossos "heróis"?

Não mais que sempre assim,
Isabelle encarou por um vago momento o carrosel das crianças leucêmicas
e depois virou sua cabeça, viu Jeffrey em posição de respeito e á estrada.





"Clown, aonde leva esta estrada?"

- Sim, leva á lugar nenhum milady.

"Lugar nenhum? Não seja estúpido,
só porque não ia a lugar nenhum não quer dizer que haja algo lá e você deve saber.."

    Perdõe minha princesa, mas a frente
    É um lugar chamado "Lugar Nenhum"... compreende?
    Venha, deixe-me levá-la - e seguiram em frente.

Agora sim a situação era curiosa, três porquinhos á frente dos depressivos:

" E agora mais essa? Abram caminho Nulos Personagens Comuns!!! "

1. Primeiro, apresente-se.
2. Segundo, seja educada.
3. Terceiro, peça licensa.

" O QUE? ", Isabelle vociferou nervosa.

" Oh, permita-me lhes dar as boas vindas minha princesa ", disse Jeffrey, ao se aproximar dos três.

...

Preste atenção:

Três de vocês e cada um é um.
Um de vocês tem potencial e disto é admirável.
Dois de vocês, não é mais necessário pois se completam.
Três de vocês, atingem graus elevados sobre nossa consciência.
Não sejam tão sutis e caso não tenham percebido não estamos mais aqui!


O simples indagar de Jeffrey fez de todos os três esquecerem-se da Princesa, que angustiadamente entediada não aguentava olhar para três porquinhos belos e
fofos. Ao verem Isabelle ao longe, o Palhaço seguiu na direção dela e eles ficaram confusos.

" Ah, sim, grata. Incrível como um pouco de cérebro vence imbativelmente contra qualquer músculo... "

E então os porquinhos seguiram Isabelle...

Nenhum comentário: